Skip to content
1 de Novembro de 2011 / vaniarodrigues1

Carlos Relvas

Filho de um rico abastado proprietário da Beira Interior que se instalara com sucesso no Ribatejo, Carlos Relvas nasceu no Palácio do Outeiro, em plena vila da Golegã, em Novembro de 1838.

Em 1853, ainda muito novo, casou-se com Margarida Mendes de Azevedo, filha dos viscondes de Podentes. Dessa união nascem cinco filhos. Um deles, José Relvas, virá a distinguir-se na contestação ao regime monárquico, proclamando a República da varanda da Câmara de Lisboa.

(Carlos Relvas, 1866-1867 - Prova actual tirada a sépia a partir de negativo em colódio. Fotos à venda na Casa-Estúdio Carlos Relvas)

Homem eclético, Relvas interessou-se sobretudo pela fotografia, produzindo uma obra de grande envergadura, onde se destaca também a magnífica casa-estúdio que construiu no jardim da sua residência do Outeiro.

Mas além de fotógrafo, foi ainda político e lavrador, criador de cavalos e cavaleiro, inventor, e até músico.
Monarca convicto, figura de fidalgo da época, Carlos Relvas vive no coração das suas terras como um grand seigneur, impondo-se pela fortuna, talento e carisma. Criador de gado e produtor de azeite, mel e vinho, Relvas exporta os seus produtos e é distinguido em várias exposições internacionais do sector, como as de Viena, Filadélfia e Paris.
Com uma curiosidade insaciável e uma absoluta necessidade de inventar e descobrir, Relvas coloca esta sua faceta principalmente ao serviço da fotografia. Mas alarga-a a outras áreas. É assim que concebe e constrói um bote salva-vidas revolucionário (o “sempre em pé”), que tinha a particularidade de voltar à posição inicial sempre que se virava.
Em 1887, quando atravessava um período bastante activo da sua vida, morre-lhe a mulher. Casa-se de novo, um ano mais tarde, com Mariana Correia, uma decisão que não foi bem aceite por todos.

O seu filho José Relvas vende então a residência familiar à Câmara da Golegã e muda-se para Alpiarça, passando Carlos e Mariana Relvas a viver na casa-estúdio, adaptada a habitação.

É aí que Carlos Relvas morará até à sua morte a 23 de Janeiro de 1894, vítima de uma septicemia contraída após um acidente de cavalo nas ruas da Golegã. Desaparecia assim um dos nossos maiores fotógrafos de sempre e uma das personalidades mais populares e famosas do Portugal de então.

http://www.casarelvas.com/

Visitem, a Casa-Estúdio é linda 🙂

SERVIÇO EDUCATIVO
Visitas guiadas à exposição permanente e exposições temporárias; cursos, acções de formação, ateliers e workshops (marcação prévia).

CONTACTOS
Lg. D. Manuel I
2150-128 Golegã

Vânia Rodrigues

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: